Jesusalém

Jesusal m Jesusal m seguramente a mais madura e mais conseguida obra de um escritor em plena posse das suas capacidades criativas Aliando uma narrativa a um tempo complexa e aliciante ao seu estilo po tico t o

  • Title: Jesusalém
  • Author: Mia Couto
  • ISBN: 9789722127974
  • Page: 386
  • Format: Hardcover
  • Jesusal m seguramente a mais madura e mais conseguida obra de um escritor em plena posse das suas capacidades criativas Aliando uma narrativa a um tempo complexa e aliciante ao seu estilo po tico t o pessoal, Mia Couto confirma o lugar cimeiro de que goza nas literaturas de l ngua portuguesa.A vida demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado, diz um dJesusal m seguramente a mais madura e mais conseguida obra de um escritor em plena posse das suas capacidades criativas Aliando uma narrativa a um tempo complexa e aliciante ao seu estilo po tico t o pessoal, Mia Couto confirma o lugar cimeiro de que goza nas literaturas de l ngua portuguesa.A vida demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado, diz um dos protagonistas deste romance A prosa m gica do escritor mo ambicano ajuda, certamente, a reencantar este nosso mundo.
    • Free Download [Crime Book] ↠ Jesusalém - by Mia Couto ↠
      386 Mia Couto
    • thumbnail Title: Free Download [Crime Book] ↠ Jesusalém - by Mia Couto ↠
      Posted by:Mia Couto
      Published :2018-08-25T02:10:11+00:00

    884 Comment

    • Rita says:

      "Em criança não nos despedimos dos lugares. Pensamos que voltamos sempre. Acreditamos que nunca é a última vez."Há qualquer coisa na escrita de Mia Couto que nos embala. Em todos os livros do autor que li experimentei uma sensação espectacular, senti que o livro me aconchegava, como se tivesse braços e me envolvesse nele. É isto que a escrita poética do autor nos faz, fala-nos de dor, de mágoa e da morte, temáticas fortes que nos esmagam e nos fazem tremer, mas sabemos que o autor es [...]

    • Teresa Proença says:

      "Não chegamos realmente a viver durante a maior parte da nossa vida. Desperdiçamos-nos numa espraiada letargia a que, para nosso próprio engano e consolo, chamamos existência. No resto, vamos vagamuleando, acesos apenas por breves intermitências."Li este livro com serenidade e encantamento, como se embalada por uma canção de ninar…Mia Couto, na sua peculiar forma de “falar” – doce, mágica, poética – conta-nos uma linda história de amor, crescimento, culpa, desencontros, desen [...]

    • Tijana says:

      Isusalim je jedna od tih knjiga koje mogu da cenim a da mi izrazito nisu drage. Napisano je sjajno, zgusnutim i često gnomskim lirskim stilom, sve je brižljivo promišljeno, i reference na razne savremene teme i univerzalnost osnovnih motiva, i suprotstavljenost muškog i ženskog načela je (iako meni stvarno malo anahrona) izvedena srazmerno uverljivo, i mnogo mi se svideo koncept po kome svako poglavlje ima moto izvučen iz dela jedne od četiri pesnikinje koje kod nas (avaj) totalno nisu d [...]

    • Owlseyes says:

      NEWS: 4 African authors among Man Booker prize finalists*** ;" The African writers are Mia Couto of Mozambique, Marlene van Niekerk of South Africa, Ibrahim al-Koni of Libya and Alain Mabanckou of the Republic of Congo." No! in the above photo: he's not the 11-year-old Mwanito; the main character of Mia's book. But, who knows?Mwanito had been, in a way, "abducted" by his father Silverio. Mother had died, they were living in a city.And father took his two kids to the jungle. A remote place where [...]

    • Loraine says:

      I am writing this is the warmth of book hangover. I don't want to move on to another book just yet. I want to keep feeling this one a bit longer. At first I struggled, deliberate, wanting to enjoy it. I had so loved the author in interview that I wanted to love this book. It was not working. I could not get a handle, could not hear a voice. I began to think that his world was shut to me, that I could not be transported into his book through an English translation. Then, somewhere around 40% it b [...]

    • Paulo Hora says:

      Não sei bem como descrever a voracidade com que li este livro. Em honra ao Mwanito, o afinador de silêncios, não o vou fazer.Jesusalém relata a jornada de uma família que é imensamente unida e disfuncional. Sim, ao mesmo tempo. Como é crescer sem o Mundo à volta, mas com o Mundo todo para nós próprios.É o primeiro livro que leio de Mia Couto e estou completamente convertido. A história desenvolve-se ao ritmo de uma escrita quase poética. Talvez retire o “quase”. Não sei se é u [...]

    • César Lasso says:

      Primeiro romance que li do Mia Couto. Sem ser o melhor, encontrei nele o mundo poético e atormentado que fez de mim um fã deste autor. Neste caso, trata da loucura de um homem que o leva a fundar um novo enclave chamado Jesusalém, para onde leva a família, em quase completo isolamento do resto do mundo

    • João Carlos says:

      Mia Couto a comprar bananas numa venda de estrada nos arredores de Maputo - Moçambique (in Expresso - Fotografia António Pedro Ferreira) ”A vida é demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado.”Depois de ler ”Terra Sonâmbula” (4*) do escritor moçambicano Mia Couto (n. 1955) e ficar fascinado com a sua original e admirável escrita, pretendia regressar ao escritor moçambicano e surge o seu romance ”Jesusalém”. ”A primeira vez que vi uma mulher tinha onze anos e [...]

    • Ângelo says:

      Sinopse Jesusalém é seguramente a mais madura e mais conseguida obra de um escritor em plena posse das suas capacidades criativas. Aliando uma narrativa a um tempo complexa e aliciante ao seu estilo poético tão pessoal, Mia Couto confirma o lugar cimeiro de que goza nas literaturas de língua portuguesa. A vida é demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado, diz um dos protagonistas deste romance. A prosa mágica do escritor moçambicano ajuda, certamente, a reencantar este [...]

    • Unickymous says:

      «Em criança não nos despedimos dos lugares. Pensamos que voltamos sempre. Acreditamos que nunca é a última vez.»

    • Friederike Knabe says:

      "I was eleven years old when I saw a woman for the first time, and I was seized by such sudden surprise that I burst into tears." This opening line pulled me immediately into Mia Couto's novel, The Tuner of Silences; it raised questions for me from the beginning and these didn't let me go til the end. Mwanito, the narrator, reflecting back on the early years of his life, recounts his experiences while living in the company of three men and his slightly older brother in a remote campside in a sem [...]

    • سلمى Selma Mohaimeed says:

      الطريقة الأنجع في التمرد / الرفض هي أن تطرد نفسك من جنة العالمين لأرضٍ تنأي بها عن قاتلي الحب / الاطمئنان ، تُنصب من نفسك إلهاً ظالم شرعه البدائية ودينه الصمت .

    • Rita says:

      ESMAGADOR! Esta é a única única palavra que encontro para definir o meu estado assim que comecei este livro.Assim que começamos o livro, Mia Couto transporta-nos para África, mais propriamente para nenhures, ou melhor para Jesusalém. Enquanto lemos o romance passamos a habitar naquele pedaço de terra abandonado em Moçambique, passamos a ver as paisagens descritas e a sentir os cheiros únicos de um continente mágico. Passamos a fazer parte da história.É poesia em prosa, é brincadeira [...]

    • Leif says:

      Though it loses steam narratively, the beauty of Couto's language should more than carry readers of this uprooted but dirt-buried family. Like any haunted story there is a horrific past, buried in the minds of those who do not wish to speak of it; there is a man become mad, a place gothically inscribed with the intricacies of secrets, ghosts, and history. More than that, however, there is the pause and explosion of creative language:Once again, it was Dona Dordalma, our absent mother, who was th [...]

    • Carlos Fonseca says:

      Ler livros da autoria de Mia Couto nunca é tempo perdido, antes pelo contrário. Não há livro dele que eu tenha lido (e ainda me faltam muitos para ler), que não me "obrigue" a voltar atrás para reler frases que só ele poderia ter escrito.Li a opinião de alguns membros do , e quase todos os que li destacaram um parágrafo, ou uma frase, que só poderiam ter saído do génio do autor. Todas as que li merecem o destaque que lhes foi dado. Porém, e se calhar nem eu sei explicar a razão, a [...]

    • Elaine says:

      I really wanted to love this book. It was definitely seductive - a very evocative and unique atmosphere (a deserted game preserve in Mozambique where an oddly assorted family have taken refuge from the outside world, ruled over by a mad and mystical patriarch - a post-colonial Tempest in a way), and some of the writing was beautifully done. I especially liked the snippets of Portuguese poetry (all of it new to me and much of it hauntingly good) that began every chapter.But ultimately, the aphori [...]

    • Ruthiella says:

      I don’t know if it was the fantastical elements such as a boy learning how to read and write with nothing more than a pack of playing cards and the labels on crates of weapons or the quasi-poetical language such as “We never really get to live during most of our life. We waste ourselves in a boundless lethargy that we delude and console ourselves by calling it existence.”, but this book made no sense to me. Plus, there total nonsense like, “This is what these black women have that we can [...]

    • Fábio says:

      Demasiado humano. Mia Couto tece, em "Antes de Nascer o Mundo", uma narrativa do ponto de vista de uma criança que praticamente contato nenhum teve com o resto da sociedade (ao menos, aquilo pelo qual entendemos como sociedade). Através dos olhos de Mwanito, um "afinador de silêncios", revisitamos o nosso próprio processo de crescimento, amadurecimento, de significação. Enquanto o menino moçambicano busca tornar-se um homem em um mundo "ainda por nascer", é impossível não nos tornarmos [...]

    • Paulo Sousa says:

      Livro 4°/Nov//56°/2016Título: Antes de nascer o mundoTítulo original: JesusalémAutor: Mia Couto (Moçambique)Editora: @companhiadasletrasPáginas: 213Minha classificação: ⭐️⭐️⭐️__________________________________________________Há muito que queria ler algum livro do escritor moçambicano Mia Couto. Títulos instigantes como "Terra sonâmbula" e "O último voo do flamingo" sempre estiveram na minha lista [interminável] de livros a ler.Mas foi "Antes de nascer o mundo", publica [...]

    • Tiago says:

      Há uns meses atrás não imaginava sequer vir a ler este livro. Mas a vida assim o quis, e imagine-se só que, quando o recebi pelo Natal, o próprio livro veio parar às minhas mãos por engano! A minha família, baseada na lista de livros que gostaria de receber pela época natalícia, confundiu «Jerusalém» de Gonçalo M. Tavares, com este, de Mia Couto. Foi, portanto uma surpresa. Uma surpresa oportuna.Jesusalém é o nome de um país imaginário. Todos os países do mundo são imaginári [...]

    • Judy says:

      I read this because it was on the short list for the Tournament of Books. The reading experience was similar to reading other novels set in African countries and written by African writers. It felt very foreign and outside of my own experience. And yet I felt an affinity with and understanding of the characters caused by the excellence of the writing and I suppose the translation also.The other morning I looked up some reviews of the novel and background on the author. While doing so, I realized [...]

    • Jenny (Reading Envy) says:

      I read this book because it was on the list for the 2014 Tournament of Books. Mia Couto is native to Mozambique and writes in Portuguese, so this is a translated novel.Each chapter starts with quotations, most from Portuguese-language poets, many of whom I wish had works translated into English. I think most of the time, the quotes the author selected were my favorite parts of the novel. I'm not sure if I didn't really understand what was going on, or if there wasn't anything to understand. Is i [...]

    • Garry says:

      A man isolates his two children in an abandoned game park in Mozambique. He tells them that there is nothing outside of their border - that the rest of the world has been decimated and they are the only ones left. The younger son, now eleven, has known no other life. The elder son is frequently beaten.The Tuner of Silences is beautifully written, but that all comes to nought if the story is inaccessible. I felt as though there was inner meaning to be discovered, but I struggled to understand bas [...]

    • l. says:

      What did I just read?'This is what these black women have that we can never have: they are always their whole body. [] While we white women live in a strange state of transhumance: sometimes we are soul, other times we are body' 'For me, Africa wasn't a continent. It was the fear I had of my own sensuality. One thing seemed obvious to me - if I wanted to win back Marcelo, I would have to allow Africa to emerge within me. I needed to give birth to my own African nudity.''- You're a poet, Marcelo. [...]

    • Vanita says:

      O primeiro livro que li de Mia Couto chegou-me às mãos com 50% de desconto, cortesia da Feira do Livro de Verão da Sonae, que é como quem diz, dos livros em desconto do Continente. "JESUSalém" e não "JeRusalém", como sempre pensei, não é um livro, é uma alegoria em jeito de poesia. É a história do luto e da dor humana em prosa gentil e cuidada. É uma dor de alma, um estado permanente que nos mostra como o luto é necessário para seguir em frente. Um livro assim merece mais do que o [...]

    • Paula M. says:

      "-Esse lugar está cheio de milagres.-Nunca vi nenhum.-São milagres tão pequeninos que não damos conta da sua existência.

    • Ginger says:

      Fantástico. Terei de reler.

    • Marisa Barras says:

      Este foi o meu primeiro livro do Mia Couto. Fiquei encantada com a sua forma quente e única de nos contar uma história. Que escrita tão encantadora, contagiante, priva de perto connosco, parece que nos conforta e tranquiliza, brinca com as palavras, quase cria um dialecto. Gostei bastante da história por ser tão diferente e inesperada. É claramente uma crítica à sociedade como reagiríamos se vivessemos em jesusalem?

    • C says:

      This one will be battling it out in the 2014 Tournament of Books (themorningnews/tob). I might not known of its existence if it wasn't on the list. But as soon as I read the description, it sounded absolutely amazing. In Mozambique, a man named Silvestre decides to take his two sons to live in an abandoned game reserve called Jezoosalem. He tells his sons the world has ended, there are no other people left and basically doesn't allow them to do anything: dream, read, write, pray. They are waitin [...]

    • Natacha Martins says:

      Gosto muito dos livros do Mia Couto, porque estão cheios de fantasia, parecem fábulas dos tempos modernos, mas com personagens muito reais. Jesusalém não foge a isso, embora ache o livro um pouco mais terra a terra do que os outros que li dele, o que não é necessariamente mau, apenas diferente. Já o Venenos de Deus, Remédios do Diabo, me pareceu diferente nesse sentido.É uma história bonita, cheia de sentimentos contraditórios, porque embora Mwanito se sinta roubado, por o pai o ter a [...]

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *